Simples Nacional: Fisioterapia a partir de 2018 vai depender do fator “r” para definir tabela

Por Josefina do Nascimento

 

A partir de 2018 a tributação do Simples sobre a receita decorrente da atividade de fisioterapia dependerá do fator “r”

 

Com o advento da Lei Complementar nº 155/2016, que alterou a Lei Complementar nº 123/2006 que trata das regras do Simples Nacional, o governo ampliou o limite da receita bruta anual de R$ 3,6 milhões para 4,8 milhões, alterou as tabelas que tratam das alíquotas e criou a figura da parcela a deduzir.

 

Com as novas regras, várias atividades dependerão do fator “r” para utilizar a tabela do Anexo III da Lei Complementar nº 123/2006, menos onerosa para as atividades prestadoras de serviços, inclusive fisioterapia.

 

A partir de 2018 a empresa com atividade de fisioterapia dependerá do fator “r” para identificar a tabela do Simples Nacional.

De acordo com as novas regras, a partir de 2018, quanto menor for o fator emprego ou fator “r” maior será a tributação da receita de empresa com atividade de fisioterapia optante pelo Simples Nacional.

Esta é uma alteração de alto impacto na carga tributária da atividade.

 

Até o final de 2017, a receita de fisioterapia não depende do fator “r”. A tributação ocorre através das alíquotas do Anexo III.

 

Assim, a partir de 2018, a receita decorrente da atividade de fisioterapia somente será tributada pelas alíquotas no anexo III se o fator “r” for igual ou superior a 28%. Isto significa que somente a empresa que tiver 28% da receita bruta com gastos destinados a folha de pagamento poderá usufruir das alíquotas do Anexo III a empresa.

Se o fator “r” for inferior a 28%, a receita será tributada pelas alíquotas do Anexo V.

Portanto, a empresa com atividade de fisioterapia somente poderá calcular o Simples através das alíquotas do Anexo III se o fator”r” for igual ou superior a 28%.

 

Em 2018 fique atento:

Vai calcular o Simples de empresa com atividade de Fisioterapia?

Antes é necessário identificar o fator “r” da empresa.

Fisioterapia somente poderá calcular o Simples pelas alíquotas do Anexo III da Lei Complementar nº 123/2006 se a despesa com a folha de salários representar pelo menos 28% do faturamento.

 

Como deve ser calculado o fator “r”?

Soma da folha de salários (inclusive autônomo e pró-labore) + Contribuição Previdenciária Patronal + FGTS dos últimos doze meses dividido pela receita bruta também dos últimos doze meses.

Fator“r”

 

Alíquotas

igual ou superior 28%

Anexo III

inferior a 28%

Anexo V

Com esta regra, em um mês o cálculo do Simples pode ser feito através das alíquotas de um anexo e em outro período através de outro anexo, visto que a definição da tabela depende do fator “r”.

 

Nova redação da Lei Complementar nº 123/2006:

Art. 18.  O valor devido mensalmente pela microempresa ou empresa de pequeno porte optante pelo Simples Nacional será determinado mediante aplicação das alíquotas efetivas, calculadas a partir das alíquotas nominais constantes das tabelas dos Anexos I a V desta Lei Complementar, sobre a base de cálculo de que trata o § 3o deste artigo, observado o disposto no § 15 do art. 3o.    (Redação dada pela Lei Complementar nº 155, de 2016)

XVI – fisioterapia;        (Incluído pela Lei Complementar nº 147, de 2014)

 

  • 5o-M. Quando a relação entre a folha de salários e a receita bruta da microempresa ou da empresa de pequeno porte for inferior a 28% (vinte e oito por cento), serão tributadas na forma do Anexo V desta LeiComplementar as atividades previstas: :   (Incluído pela Lei Complementar nº 155, de 2016)

I – nos incisos XVI, XVIII, XIX, XX e XXI do § 5o-B deste artigo;    (Incluído pela Lei Complementar nº 155, de 2016)      Produção de efeito

 

Anexo V – aumenta carga tributária

O cálculo do Simples Nacional pelas alíquotas ao Anexo V da Lei Complementar nº 123/2006 vai aumentar consideravelmente a carga tributária da empresa com atividade de fisioterapia.

Na 1ª faixa o aumento da carga tributária representa mais de 158% (Receita bruta acumulada de até 180 mil Anexo III 6% e Anexo V 15,50%).

Na 2ª faixa, o aumento do Simples representa mais de 94%.

 

ISS e ICMS – não serão contemplados pelo Simples

Vale ressaltar que não serão calculados através do Simples o ISS e o ICMS para as empresas optantes em 2018 com receita superior a 3,6 milhões e inferior a R$ 4,8 milhões. Estes impostos serão apurados e recolhidos em guias próprias.

Fique atento às novas regras do Simples Nacional instituída pela Lei Complementar nº 155/2016 e  regulamentada pelo Comitê Gestor através da Resolução CGSN 135/2017 que entrarão em vigor a partir de 2018, consulte seu contador.

 

Leia mais:

Simples Nacional superou em 2017 receita de R$ 3,6? Confira procedimentos para permanência

Simples Nacional – determinação da alíquota e Receita Bruta Acumulada

 

____________________________________________________________________________

Quer manter-se atualizado?

Tem interesse em receber notícias deste blog? Ao acessar qualquer matéria informe seu e-mail (clique na figura do envelope – basta informar uma única vez).

O Blog Siga o Fisco (https://sigaofisco.blogspot.com.br/) foi lançado em julho de 2011 e em agosto deste ano ganhou este novo Portal.

 

Siga o Fisco é uma empresa que oferece serviços de consultoria, Cursos, treinamento (da sua equipe, do seu cliente e fornecedor), cursos e palestras (tributos indiretos: ICMS, ISS, IPI, PIS, Cofins e Simples Nacional). Temos ainda o Serviço do Especialista Fiscal que vai até a sua empresa (um programa adaptável às necessidades do cliente). Interessados poderão entrar em contato: sigaofisco@sigaofisco.com.br

Compartilhe nas redes:

6 Comentários

  1. Alexandre Amaral 1 ano ago

    Olá Jô! Tenho uma dúvida sobre o fator “R”. Podemos incluir no cálculo do fator “R” somado as despesas com folha de pagamento “PLR” e recibos de fisioterapeutas que prestam serviços autônomo?
    Parabéns pelo blog!

    Responder Gostei Não gostei
    1. Jô Nascimento
      Jô Nascimento 1 ano ago

      Alexandre, boa tarde!

      Para calcular o fator “r” serão considerados o valores dos autônomos (folha de salários, autônomos, encargos, pró-labore).
      Mas não pode ser considerado no cálculo do fator “r” o valor do PLR (Participação nos Lucros e Resultados.

      Para mais informações colocamos à disposição o nosso serviço de consultoria: sigaofisco@sigaofisco.com.br

      Responder Gostei Não gostei
  2. Mauricio malta 11 meses ago

    Despesas com terceirizados entram no cálculo? Tenho uma clinica e o serviço de limpeza e terceirizado, sendo assim queria incluir no cálculo, posso?

    Responder Gostei Não gostei
    1. Jô Nascimento
      Jô Nascimento 11 meses ago

      Maurício,
      Despesa com terceirização (pessoa jurídica) não entra no cálculo do fator “r”.

      Responder Gostei Não gostei
  3. Mariana 6 meses ago

    Devo abrir qual tipo de empresa para recolher o Simples Nacional como fisioterapeuta?

    Responder Gostei Não gostei
    1. Jô Nascimento
      Jô Nascimento 6 meses ago

      Mariana, boa noite!
      A atividade de fisioterapia tem o CNAE 8650-0/04
      Se sociedade será limitada ou EIRELI não importa, em se tratando de pessoa jurídica que atenda as as demais regras da LC 123/2006 vai recolher pelas regras do Simples Nacional (Receita Anual de até 4,8 milhões)

      CNAE 8650-0/04 – Atividades de fisioterapia
      Notas Explicativas:
      Esta subclasse compreende:
      – as atividades de fisioterapeutas realizadas em centros e núcleos de reabilitação física
      Se precisar de assessoria envie e-mail para sigaofisco@sigaofisco.com.br
      Estamos na zona leste da capital paulista.

      Responder Gostei Não gostei

Compartilhe nas Redes!