ICMS – SP estimula Comércio Eletrônico

ICMS – SP estimula Comércio Eletrônico 1

São Paulo estimula comércio eletrônico e as atividades de Operadoras Logísticas

A novidade veio com a Portaria CAT nº 31 de 2019 (DOE-SP de 19/06), que dispõe sobre as atividades dos operadores logísticos para o armazenamento de mercadorias pertencentes a terceiros contribuintes do ICMS

Para os fins previstos na Portaria CAT 31/2019, considera-se Operador Logístico o estabelecimento cuja atividade econômica seja, exclusivamente, a prestação de serviços de logística, associada, ou não, à prestação de serviço de transporte, efetuando o armazenamento de mercadorias de terceiros contribuintes do ICMS, com a responsabilidade pela sua guarda, conservação, movimentação e gestão de estoque, em nome e por conta e ordem de terceiros, podendo, ainda, prestar serviço de transporte das referidas mercadorias.

O Operador Logístico estabelecido neste Estado deverá inscrever-se no cadastro de contribuintes do ICMS com o código 5211-7/99 da Classificação Nacional de Atividades Econômicas – CNAE, mediante o uso do aplicativo Coleta Online – Programa Gerador de Documentos – PGD do CNPJ (CNPJ versão web) disponível no “site” da Secretaria da Receita Federal do Brasil – RFB, ficando, em relação às atividades decorrentes da armazenagem de mercadorias, dispensado da emissão de documentos fiscais e escrituração de livros fiscais, sem prejuízo da solidariedade prevista em lei, especialmente nos incisos XI e XII do artigo 9º da Lei 6.374 de 1.989.

De acordo com o governo paulista, a medida decorre do compromisso efetivo em promover iniciativas concretas para a promoção da economia, simplificação da legislação tributária e melhoria do ambiente de negócios para novos investimentos em São Paulo.

 

 Confira nota veiculada pela Sefaz-SP:

São Paulo estimula o comércio eletrônico e as atividades de Operadoras Logísticas e Fulfilment

A Secretaria da Fazenda e Planejamento publicou no Diário Oficial desta quarta-feira (19) nova regulamentação para promover o comércio eletrônico e as atividades das empresas de operação logística no Estado. A Portaria CAT nº 31/2019 prevê condições mais favoráveis para empresas que efetuam suas vendas via internet, ao mesmo tempo em que fortalece e garante segurança jurídica para o fomento das atividades das empresas que atuam em conjunto nesta modalidade de negócio.

Resultado de estudos realizados pela Secretaria da Fazenda e Planejamento junto aos setores envolvidos, entre as principais novidades trazidas pela medida está a possibilidade de empresas de qualquer porte e de todo o país poderem contar com a expertise das empresas logísticas instaladas no território paulista para promover suas vendas — em qualquer lugar do território nacional — junto aos seus clientes (consumidores finais). Outro ponto é a simplificação de obrigações acessórias relacionadas à emissão e escrituração dos documentos fiscais para as empresas envolvidas, tanto as vendedoras, quanto as de logística.

Na parte operacional, a portaria permite a estocagem e o controle dos estoques de mercadorias de diversos fornecedores em um único local pela empresa logística, mediante tratamento tributário simplificado. Já na esfera gerencial, a implementação de novas medidas que reduzirão prazos e custos diretamente relacionados com a expedição das mercadorias, garantindo mais agilidade e segurança para quem vende e para quem entrega, e principalmente, mais opções para quem quer comprar.

A medida decorre do compromisso efetivo do Governo do Estado em promover iniciativas concretas para a promoção da economia, simplificação da legislação tributária e melhoria do ambiente de negócios para novos investimentos em São Paulo.

 

Confira a seguir últimos posts deste Portal:

Receita Federal através da Portaria nº 519/2020, veda acesso de terceiros às informações da Nota Fiscal eletrônica – NF-e a partir de 1º de abril de 2020

Trabalhador informal vai receber auxílio emergencial de R$ 600 durante três meses da crise provocada pelo coronavírus. Valor limitado a R$ 1200 por família

Para ajudar enfrentar os efeitos econômicos do coronavírus, BNDES vai financiar a folha de salários das  MPMEs

Pacote de ajuda às empresa anunciado pelo governo federal para combater os efeitos do Covid-19 não inclui a MICROEMPRESA. Será que esqueceram?

Para tentar combater os efeitos do Covid-19 na economia, governo federal anuncia que vai financiar a folha de salários das pequenas e médias referente dois meses

Para combater o efeito Covid-19, várias medidas tributárias já foram aprovadas, porém muitas ainda são aguardadas pelos empresários

Deputados aprovam o Corona Voucher, auxílio de R$ 600 que será pago por três meses para pessoas de baixa renda. Medida faz parte do pacote de combate ao Covid-19

Como medida de combate a Covid-19, governo federal amplia relação de produtos beneficiados pela alíquota zero de Imposto de Importação, incluindo cloroquina

Através do Decreto nº 10.292/2020 O governo federal altera e amplia a relação de atividades essenciais no combate ao Covid-19

O Comitê Gestor do Simples Nacional prorroga para 30 de junho de 2020 o prazo de entrega da DEFIS referente 2019. Este prazo também se aplica a DASN-Simei

Você pode gostar

0 Comentários